O governo totalitário de Kim Jong-un parece ter a ironia como um dos seus traços mais caricatos. É que, depois de inaugurar uma sala de internet sem internet em um de seus novos aeroportos, a Coreia do Norte parece ter lançado um serviço de streaming semelhante à Netflix.
O que chamam a atenção, desta vez, são o nome e a disponibilidade da nova mídia: batizada de Manbang, que significa “em todo o lugar”, a plataforma pode ser acessada somente  por quem vive nas cidades de Pyongyang, Sinuiju e Sariwon da República Democrática.
Segundo o NK News, a novidade foi anunciada pela Central de Televisão da Coreia, órgão que regula o conteúdo exibido pelos meios de comunicação no país. Para acessar a plataforma, o usuário teria de adquirir um aparelho autônomo, que funcionaria às custas do protocolo de internet para televisores.
Programação
Programas como documentários sobre liderança política, vídeos educativos, replays de filmes e até mesmo aulas para o aprendizado de inglês e de russo parecem ser as principais investidas do serviço. Notícias e demais produções estatais devidamente aprovadas pelo Grande Líder poderão também ser assistidos pelos telespectadores.
O sistema de buscas por programas seria também parecido com o usado pela Netflix
Para usar a interface, o usuário tem de conectar uma linha telefônica ao aparelho e então ligar um cabo de rede de comunicação estatal ao Manbang. As pesquisas por programação podem ser feitas por meio de uma tela de buscas, segundo explica Kim Jong Min, responsável pelo departamento de tecnologia e informação da plataforma.
Apenas três cidades teriam acesso à plataforma
“Se o usuário quer assistir, por exemplo, a um filme sobre animais e ele então envia uma solicitação ao equipamento, o aparelho vai mostrar um vídeo relevante ao espectador... Esse sistema é um serviço de duas vias”, diz Kim. Será que o polêmico filme "A Entrevista" um dia vai chegar à grade de programação do mais novo sistema de streaming da Coreia do Norte?