GRUPO DE AJUDA

SATPLAY

BTV BOX

VISION SAT

MAXFLY

HIGHTV

GLOBALSAT

TOCOMSAT

ARTCOM SAT

AZBOX

SKYSAT

CS SAT BRASIL

TELE CS

FUSION CS

100 MELHORES

CHICO CS

CS TIAGO PIRES

RECEBA ATUALIZAÇÕES POR EMAIL

RECEBA ATUALIZAÇÕES POR EMAIL:

EQUIPE / AZDIGITALTV.COM

Record, SBT e Rede TV firmam acordo com NET e Claro hdtv para voltar à programação - 08/09/2017

18:26:00 |

Record, SBT e Rede TV firmam acordo com NET e Claro hdtv para voltar à programação - 08/09/2017

A maior operadora da TV paga, a NET fechou contrato com a Simba e volta a distribuir os sinais de Record, SBT e RedeTV! ainda nesta sexta-feira (8), encerrando um blecaute que já dura cinco meses na Grande São Paulo e no Distrito Fedral. O acordo, assinado hoje, também vale para a Claro TV, igualmente operadora do grupo Telecom Americas. As duas empresas tinham em maio 9.511.209 assinantes, 51% do mercado de TV paga brasileiro. As informações do jornalista Daniel Castro, do Notícias da TV.

A Net e a Claro, como fizeram em agosto Sky e Vivo, concordaram em pagar um valor por assinante para as três redes de TV, que até março respondiam por quase 20% de toda a audiência do cabo e do satélite.

O valor não foi divulgado. Inicialmente, a Simba Content, empresa formada pelas três emissoras, pedia R$ 15,00 por assinante.

Record, SBT e RedeTV! voltam ao line-up da digital Net nos mesmos canais que estavam antes, respectivamente 519, 509 e 508. As operadoras optaram por não fazer alarde com o retorno das emissoras.

O contrato com a Net e a Claro encerra a maior guerra já travada entre emissoras e operadoras de TV por assinatura. Das grandes do mercado, apenas a Oi (1,4 milhão de assinantes) ainda não fechou acordo.

No final de março, as emissoras da Simba adotaram estratégia sugerida por Silvio Santos e decidiram partir para o confronto. Notificaram as operadoras que elas, sem um acordo comercial, não poderiam mais carregar seus sinais digitais no Distrito Federal e na Grande São Paulo, primeiras metrópoles a desligarem a TV analógica.

Até então, todas as redes abertas eram carregadas gratuitamente pela TV por assinatura. Com a lei 11.485/11, que atualizou a legislação do setor, as emissoras passaram a ter o direito de cobrar por seus sinais digitais.

Quando partiram para o confronto com as operadoras, as emissoras esperavam um clamor popular favorável a elas. Seus executivos imaginavam que, assim como ocorrera na disputa entre Fox e Sky, em janeiro, os telespectadores cancelariam assinaturas e protestariam nas redes sociais. 

Em 30 de março, as três redes saíram do ar nas principais operadoras em São Paulo e no Distrito Federal, e o clamor popular que as redes esperavam não aconteceu.

Pelo contrário, elas foram as maiores prejudicadas. Suas audiências caíram até 30%. Com exceção do SBT, até hoje elas não recuperaram a audiência que tinham em março. Para as operadoras, o corte também não foi bom. Elas perderam 136.787 assinantes em maio, segundo a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

Em crise, a Simba trocou seu executivo responsável pelas negociações com as operadoras. Saiu o ex-banqueiro Marco Gonçalves e entrou Ricardo Miranda, ex-presidente da Sky, nome de confiança do mercado de TV por assinatura.

Em junho, com o desligamento do sinal analógico em Goiânia, as negociações tiveram um grande avanço. A Simba finalmente acenou com um preço que as operadoras estavam dispostas a pagar. Assim, conseguiu manter as três redes na TV paga em Goiás, mesmo sem um acordo comercial.

CRÉDITOS : O UNIVERSO DA TV

CURTA E COMPATILHEM EM NOSSAS REDES SOCIAIS !!!

GOOGLE + 


FANPAGE 


GRUPO DO FACEBOOK


CADASTRE E RECEBA ATUALIZAÇÕES EM SEU EMAIL !!!:




CADASTRE E VERIFIQUE NA LIXEIRA DE SEU EMAIL !!


0 comentários:

Postar um comentário